VERDE que te QUERO BEM

Verde FORA verde DENTRO de casa Sustentabilidade nunca deve sair de moda!

“Criar jardins e paisagens, é uma arte maravilhosa, possivelmente uma das mais antigas manifestações da arte. A Bíblia registra e descreve um paraíso onde havia equilíbrio entre as plantas, os animais, e o homem. Infelizmente o homem procurou dominar a natureza e perdeu seu paraíso. Com o conhecimento que hoje possuímos da ecologia e da importância de nos relacionarmos com as árvores e as plantas, procuramos reconquistar aquele paraíso perdido e corrigir os erros das gerações passadas.” (Roberto Burle Marx.1991)

A PAISAGEM é o conjunto de fatores inter-relacionados que podem ser naturais ou não.Usado para caracterizar visuais e ambientes que podem ser naturais ou humanizados.

Está ligação com o entorno torna toda abertura um quadro vivo, é trazer a paisagem externa para dentro de casa fortificando a ligação com a natureza.

Paisagem – Natural e Humanizada

A paisagem natural é aquela onde predominam os aspectos originais da natureza enquanto que a paisagem humanizada é aquela em que são visíveis os resultados e transformações da intervenção humana na paisagem.

Paisagismo

É a técnica artesanal aliada à sensibilidade, procurando reconstituir a paisagem natural.

O paisagismo tem a finalidade de integração do homem com a natureza, facultando-lhe melhores condições de vida pelo equilíbrio do meio ambiente.

É notório a influência benéfica das áreas verdes na vida de qualquer comunidade. Seus efeitos são essencialmente notados, no equilíbrio do ecossistema, resultando na melhoria da qualidade do ar, controle natural da temperatura ambiental, diminuição dos ruídos urbanos e visuais.

SUSTENTABILIDADE

“Desenvolvimento sustentável não é um estado fixo de harmonia, mas um processo de mudança no qual a exploração dos recursos, a direção dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e as mudanças institucionais são feitas de uma forma consistente não só com as necessidades do presente mas também com o futuro”. (H.P. Kanegae, 1998)

Fonte Imagens: Contemporist
Fonte Assunto: Alexandre Drefahl e Claudio Santos

Você pode gostar de:

Compartilhe:  
Nenhum comentário

Deixe um Comentário